sábado, 7 de março de 2009

A dor de cada dia
é o que sobra depois
da morte de rotina
e do prato principal.
Lambuzada de querer,
degerindo meus remorsos
e o medo de ter dito o que não posso.

Todo espetáculo precisa acabar.

Nenhum comentário: