domingo, 15 de março de 2009


Estou contra as paredes de mim mesmo
não consigo perdoar-me
peno-me até nos menores erros
e agora? como encontrar o caminho de volta
se eu não tenho o itinerário que segui
eu falei e fiz, tá feito
como desfazer tanta dor
não saber onde ir é comum em qualquer sujeito
tenho o mau hábito de perder afetos
dizeres incompletos cheios de raiva de mim

perdi meu último romance
quando tudo que eu queria era pleno de seu perfume

eu rejeito o remédio de minhas dores
e faço tantas outras crueldades contra mim
sem saber porque
rejeito a cura e juras de amor...

Um comentário:

Luciano Fraga disse...

Há momentos em que a dor supera e a cura é sempre só.