domingo, 8 de novembro de 2009

Essas fórmulas de afeto que te servem de parâmetro não me afetam...
meu sentir e meus deletérios possuem a forma única dos meus olhos
e se sou crua,
e se sou frívola e desabitada... que não me siga com teus passos rotos,
não me ofereça teu coração em trapos,
tuas clicherias
formas do globo...
guarde pra ti esses inventados,
eu quero experimentar o gosto do gosto...
a dor, e a luta e a cor das máscaras que escolho.

3 comentários:

Luciano Fraga disse...

Uma maravilha arrancada no fundo do poço da sinceridade femenina,irado, belo!

daniel mendes disse...

tem toda razão

Ellen Joyce disse...

Que...

Eu não sei

Me empresta um adjetivo?