quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Engoli tantos choros, gritos, versos e querências que perdi a fome e tomei a forma dos preços, botões e endereços que me exigiam.
Mantive a distância necessária dos sentimentos devoráveis pelas cascas e caixas que me mantêm... Compro diariamente manuais de felicidade com cálculos precisos.
Meus arquivos registram os erros que não devem ser esquecidos, todos os nãos e correspondências ignoradas, para não haver revivências.
Conto os passos e sigo as setas para evitar os ridículos.
Falo do que quero em frases curtas e só componho canções de saudades que nem sei se são minhas.
Vivendo singular, terceirizo sentimentos agudos e fortes do tipo que tomam muito tempo.
Saboreio o medo como um familiar aperitivo e vou esquecendo as chaves, os trapos e os infinitivos enquanto cresce o cansaço.


Resultado de imagem para grandes obras louvre

(Auto-retrato do artista sem barba - Vincent Van Gogh)