sábado, 17 de outubro de 2009

Torpor!


o efeito cardamomico de todos os acordes,

o corpo queda entre a pscodelia e a razão

e a loucura materializa-se

o que é feito mistério encendeia

a natureza do fogo queima todos os elementos postos

O frenesi de todas as notas...

dopada entre todos os rumores

apenas mais um alucinante

estranho ao ser e ao devido

não há nada

nada existe...

a não ser o meu rádio delirante

a não ser os gemidos incessantes

do desejo de ser etério!

2 comentários:

Luciano Fraga disse...

Grande Zana,na natureza de todas as coisas e de todos os fenômenos tem como essência a vacuidade, tudo que buscarmos dentro ou fora de nós, dá em nada, no vazio, mas um vazio que tudo contém,o vazio de tudo que é... grande poema, abraço.

Sophia disse...

Simplesmente, Deusa! Magnânimo! Fantástico!